”A intenção dele desde o início era fazer isso e tirar a vida da criança”, diz delegado

Gabriela Hautrive
Slider

A menina de cinco anos encontrada morta em Lajeado, no Vale do Taquari, na tarde desse sábado (4) saiu de casa com o suspeito do crime por volta das 12h30min. O homem de 35 anos, amigo da mãe da criança, havia convidado a menina para ir com ele até um mercado que fica a 100 metros da casa onde a vítima vivia com a mãe e o irmão mais velho. A mãe deu permissão que a filha saísse na companhia do homem. Pouco mais de meia hora depois, estranhou a demora, foi atrás da filha e procurou a Brigada Militar.

A Polícia Civil ainda não sabe se o homem e a criança chegaram a ir ao mercado. O suspeito foi preso por volta das 15h por estupro de vulnerável com resultado morte. O crime tem pena máxima de 30 anos de reclusão.

O corpo foi encontrado às 17h pelo Corpo de Bombeiros boiando nas margens do rio Taquari com sinais de violência sexual. A criança chegou a ser levada ao Hospital Bruno Born, mas já estava sem vida.

O delegado de plantão que atendeu o caso, Dinarte Marschall Júnior, afirma que a mãe da menina estava separada há sete meses do pai, nesse período conheceu o suspeito e ele frequentava a casa da família. Inicialmente, as buscas se concentraram em áreas de mata próximo ao mercado e depois foram deslocadas para a barranca do rio Taquari quando um morador contou ter visto o suspeito caminhando na região com a menina na garupa. Todo o trajeto teria sido feito a pé pelo suspeito e a vítima.

— Não sabemos se eles foram ao mercado. Ele levou a criança em direção ao rio, uma área de mato com intenção de violentá-la e se desfazer do corpo. A intenção dele desde início era fazer isso e tirar a vida da criança. Quando se dirigiu ao rio, era para matar — afirma o delegado.

A mãe já foi ouvida e o histórico familiar deverá ser analisado pela polícia. O caso será investigado a partir de segunda-feira (6) pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Lajeado.

— É importante fazer alerta para que mães e pais cuidem as pessoas que ficam com seus filhos. A gente vê muito esse tipo de situação, nem sempre com resultado morte, mas muita violência sexual de criança envolvendo pessoas próximas a ela. É melhor ter paranoia e cuidar mesmo — orienta o delegado.

O homem ficou em silêncio no depoimento. Ele tem histórico de descumprimento de medida protetiva. Segundo a polícia, ele perseguia a ex-companheira e chegou a agredir o atual parceiro dela. No dia 27 de julho foi preso por porte ilegal de arma de fogo e depois, liberado.

— Ele tinha histórico de crime violento. Morava a certa distância da vítima mas tinha relação de amizade com a mãe, tinham grupo de amigos em comum.

O corpo da menina e roupas do suspeito foram encaminhados para perícia. Após a autuação em flagrante, o homem foi levado para o Presídio Estadual de Lajeado.

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

Fonte: GZH

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Slider

MAIS LIDAS

Slider