Ave rara resgatada de temporal é devolvida à natureza após reabilitação no Litoral Norte

Gavião-pombo-pequeno em liberdade - Foto: Glayson Bencke/Sema
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
WhatsApp Image 2022-07-15 at 09.14.17
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
BANNERSANTAINESNOVO
mart
Campanha Sobras - 1080X1080

Um exemplar de gavião-pombo-pequeno foi devolvido à natureza, neste mês, após ser regatado de situação de risco em meio a um temporal no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. Devido ao processo de reabilitação em centro especializado, a ave de rapina, considerada rara, permaneceu longe de casa por quase um ano. Agora, pronta para alçar voo novamente, foi solta na mesma região, em uma área de floresta atlântica preservada.

O planejamento e a execução da soltura foram realizados pela Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema), por meio da Divisão de Fauna e da equipe do Museu de Ciências Naturais da Divisão de Pesquisa e Manutenção de Coleções Científicas (DPMCC).

Estima-se que o exemplar reabilitado tenha aproximadamente 18 meses de vida, sendo praticamente um “jovem adulto”.

Regiao onde foi feita a soltura Foto Mariano Pairet Jr
Ave foi solta em uma área de floresta atlântica preservada, no Litoral Norte – Foto: Mariano Pairet Jr.

“A devolução à natureza permite que esses animais silvestres continuem cumprindo seu papel ecológico nos ecossistemas e, em alguns casos, contribui para a conservação de espécies. As solturas, contudo, devem ser feitas exclusivamente pelos órgãos competentes”, salientou a secretária da pasta, Marjorie Kauffmann.

O trabalho é criterioso e envolve uma série de cuidados, como a definição do local e da melhor época, a garantia do transporte adequado e a avaliação das condições comportamentais, físicas e de saúde do animal, que deve retornar a seu ambiente natural, para que possa caçar e sobreviver em liberdade.

Às vésperas da soltura, a Sema contou com apoio do núcleo Preservas do Hospital de Clínicas Veterinárias da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que examinou as condições de saúde da ave e ofereceu alimentação adequada. Tudo para garantir que ela estava apta a voltar para casa.

No mesmo local, a espécie foi anilhada com apoio do Laboratório de Ornitologia da UFRGS. A recuperação e monitoramento do gavião foram feitos pelo Centro de Reabilitação de Animais Silvestres e Marinhos (Ceram) do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (Ceclimar) da UFRGS, em Imbé.


Espécie em risco de extinção

Exclusivo do bioma Mata Atlântica, o gavião-pombo-pequeno integra a lista oficial de espécies ameaçadas de extinção no Brasil. Segundo técnicos da Divisão de Pesquisa da Sema, essa ave é de ocorrência rara no Rio Grande do Sul, com pouquíssimos registros na região litorânea, todos eles recentes.

Pesquisadores acreditam que a espécie esteja iniciando um processo de colonização das áreas de floresta de planície do Litoral Norte gaúcho a partir de suas áreas de ocorrência em Santa Catarina, onde costuma ser avistada com mais frequência.

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

Texto: Joyce Heurich/Ascom Fepam
Edição: Camila Cargnelutti/Secom

Compartilhe:

ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
WhatsApp Image 2022-07-15 at 09.14.17
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
BANNERSANTAINESNOVO
mart
Campanha Sobras - 1080X1080

MAIS LIDAS

SELLNET-300x158
zanella
farmsantinesnova
Roque_2021-300x266-1-seo