Duas pessoas são presas em operações que investigam suposto golpe do gado no RS

Foto: Polícia Civil (divulgação)

Duas operações em conjunto com a Polícia Civil de Formigueiro e de Bagé resultou na prisão de duas pessoas na manhã desta sexta-feira. Denominadas ReculutaAramado, as ações têm como objetivo prender os envolvidos no suposto golpe milionário de compra e venda de gado e apreender animais em propriedades rurais. Dois mandados de prisão preventiva e outras 37 ordens judiciais foram cumpridos em diversos municípios do Rio Grande do Sul e em outros três estados.

Em Santa Maria, um corretor de gado foi preso em uma residência na Avenida Presidente Vargas. Já em Formigueiro outro corretor, que trabalha em um órgão público, também foi preso. O servidor teria alterado dados de um sistema estadual para incluir nascimentos de animais bovinos nos estoques do principal líder do esquema criminoso, assim gerando saldos suficientes para que os investigados pudessem realizar, o que a polícia vem chamando, de o movimentação de “gado papel”.

De acordo com a Polícia Civil, neste ano, o servidor teria alterado 44 operações, totalizando 2.744 bovinos declarados nascidos. Muitas destas operações foram realizadas em um mesmo dia. Em de abril, foram registrados o nascimento de 1.139 bovinos em 18 lançamentos em sequência. Entretanto, nesta data, a propriedade possuía apenas 125 fêmeas em idade reprodutiva.

A Polícia Civil também apreendeu 93 bovinos, os quais serão transportados para a propriedade rural da vítima que ficará como depositária.  Ainda conforme a investigação, os animais foram comercializados e tiveram a rota original da venda desviada pelos investigados para esconder o destino dos animais.

MAIS DE 30 ORDENS JUDICIAIS

Durante as investigações, apurou-se uma série de movimentações suspeitas de animais bovinos. Com isso, a Delegacia de Polícia Especializada na Repressão aos Crimes Rurais e Abigeato (Decrab), de Bagé, solicitou a apreensão 12.852 cabeças de gado. Conforme a Polícia Civil, esse seria o número de animais que no primeiro semestre de 2021 haviam sido comercializadas pelos investigados para 22  propriedades rurais localizadas em quatro estados: Rio Grande do Sul, Tocantins, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Ao todo, sete mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Porto Alegre, Formigueiro, Caçapava do Sul, São Francisco de Assis e São Gabriel. Com exceção de São Francisco de Assis, nos outros quatro municípios também houve cinco bloqueios de bens.

Em Santiago, Alegrete, Uruguaiana, Santana da Boa Vista, Coxilha, Alegrete, Tupanciretã, Júlio de Castilhos, Santa Barbara do Sul, Piratini, São Francisco de Assis, Itaara e Boa Vista do Incra, 19 bloqueios de estoque de animais bovinos foram decretados.

Em municípios de outros estados, como em José Bonifácio no Estado (SP), Água Clara (MS) e em Pau D’Arco (TO) também houve bloqueios de estoque de cabeças de gado.

O GOLPE
As operações fazem parte da investigação do suposto golpe, que teria lesado pelo menos 80 pecuaristas em 14 cidades do Estado. O principal suspeito é o atravessador Marco Gilberto Müller Becker Filho. Ele atuava há pelo menos dois anos no ramo de compra e venda de animais. Segundo os produtores, o suspeito adquiria o gado por preço acima do valor de mercado, para pagamento a prazo, e o revenderia a preços mais baixos em remates com pagamento à vista. Becker Filho está preso no Presídio Estadual de Caçapava do Sul desde 22 de junho.

No mesmo dia em que o atravessador foi encontrado, o corretor de gado Fabiano Saraiva Marques também foi preso. Em depoimento, Maques contou que todas as transações que fazia eram com a autorização de Becker Filho.

As operações foram deflagrada pela Delegacia de Polícia (DP) de Formigueiro e pela Decrab, de Bagé, e contou com o apoio da 4ª DP de Santa Maria e do Departamento de Defesa Agropecuária da Secretaria de Agricultura.

SUSPEITO NEGA GOLPE
No primeiro depoimento à polícia, em 29 de junho, Becker Filho deu sua versão sobre o caso e disse ser inocente. O atravessador negou que tenha dado um golpe contra pecuaristas gaúchos e confessou que não tem dinheiro para pagar as suas dívidas de R$ 30 milhões nem gado para devolver. Acompanhado da advogada, Ana Elisa Telesca Mota, ele disse que também foi enganado por corretores de gado que negociavam os animais que ele adquiria.

Conforme o delegado Antonio Firmino de Freitas Neto, Becker Filho comprava animais como sendo novos e pagava mais caro, mas, ao tentar revendê-los, descobria que já eram velhos e valiam menos. Além disso, alguns animais teriam peso menor do que o negociado, o que os desvalorizava.

mulher de Becker Filho também prestou depoimento. O teor da conversa não foi divulgado, mas o delegado Firmino revela que a esposa do atravessador de gado disse que não participava da contabilidade dos negócios do marido.

Em 24 de junho, a Polícia Civil cumpriu quatro mandados de busca e apreensão em Caçapava do Sul e São Sepé. Durante a ação foram apreendidas três camionetes, um carro e diversos documentos que podem ajudar nas investigações.

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

Fonte: Bei – Colaborou Laíz Lacerda

 

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Slider

MAIS LIDAS

Slider