Em crise, pelo menos trê prefeitos gaúchos demitem todos os secretários

Na imagem o prefeito de David Canabarro, Marcos Antonio Oro (PP), um dos municípios atingidos pelo corte dos secretários.

Em crise financeira, pelo menos três prefeitos de pequenas cidades gaúchas decidiram exonerar todos os secretários para tentar equilibrar as contas. O último a adotar a medida foi o prefeito de David Canabarro, na região Norte.

Nesta semana, cinco secretários, dois diretores e um chefe de gabinete foram demitidos. A expectativa é de economizar R$ 35 mil por mês. A providência é considerada difícil, mas necessária diante da diminuição de repasses.

“A gente pretende, a partir de agora, contar ainda mais com a colaboração dos funcionários efetivos do nosso município que conhecem as atividades de cada setor para minimizar as dificuldades que a gente vai encontrar durante este período , afirma o prefeito, Marcos Antonio Oro (PP), que conta com aproximadamente 215 servidores, entre concursados e contratados de forma temporária. O município tem 4,6 mil habitantes.

Ainda em 2015, a primeira cidade a tomar a providência foi Jaboticaba, também na região Norte. Sete secretários e 18 Cargos de Confiança (CC’s) foram exonerados em junho. No início deste ano, o secretário de obras foi chamado novamente.

“Da maneira como os municípios estão enfrentando esta crise, em um lugar pequeno, como Jaboticaba, é possível administrar com menos secretários e contar com os concursados , defende o prefeito Miguelzinho Piccin (PP).

Segundo Piccin, foi possível economizar no mínimo R$ 50 mil por mês desde que a equipe foi reduzida. A cidade possui 4,1 mil habitantes.

Já em Barra do Rio Azul, no Noroeste, as dificuldades têm sido grandes desde a exoneração do secretariado, ocorrida há quatro meses. Além dos sete secretários, foram dispensados três coordenadores e um chefe de gabinete.

Nesta semana, o prefeito Ivonei Marcio Caovila (PDT) saiu em férias. Toda a responsabilidade da administração ficou com o vice, Carlos Moacir Zamadei (PT), que admite dificuldades para gerenciar a demanda dos 2 mil habitantes.

“Estamos com vários problemas, o município é essencialmente agrícola, estamos na época de silagem e os pedidos são muitos, vamos nos desdobrando para atender o povo“, diz Zamadei, que conta com cerca de 100 servidores.

Além da queda nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e do ICMS, os municípios gaúchos sofrem nos últimos dois anos com atrasos de repasses do governo do Estado. As perdas chegaram a R$ 956 milhões em 2015, segundo a Federação das AssociaÇÕes de Municípios (Famurs). Fonte: Rádio Gaúcha

Postada originalmente em: 2016-01-22 02:00:00

Categoria original: Geral

Fonte: Rádio Gaúcha

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram

MAIS LIDAS

VÍDEOS

Mais notícias

Gafanhotos gigantes assustam moradores de Santa Catarina
Gafanhotos gigantes que começaram a aparecer em várias cidades...
Guard Rail e árvores evitam que caminhão despenque de barranco as margens da RSC-472 em Tenente Portela
Um caminhão utilizado no transporte de suínos só não...
MPRS alerta para golpes contra Prefeituras realizados usando nome da Instituição
O Ministério Público alerta sobre um golpe realizado contra...
Sicredi Raízes RS/SC/MG realiza doação de R$ 350 mil a hospitais
A Sicredi Raízes RS/SC/MG é uma instituição financeira cooperativa...
Tragédia: Homem mata a filha e esfaqueia quatro pessoas da mesma família em SC
Na tarde desta segunda-feira (12), um homem identificado como...