Ex-vereador é condenado por empregar funcionária fantasma

Ex-vereador Wilson Batista Duarte, o Kanelão, foi condenado em segunda instância por empregar suposta funcionária fantasma — Foto: Reprodução/RBS TV
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
PartiuSicoob_BannerSite_300x266px
WhatsAppImage2022-01-27at090302
BANNERSANTAINESNOVO
OBAOK
278875877_5073530309371253_7577404801244216723_n
WhatsApp Image 2022-05-12 at 09.02.05

O ex-vereador de Rio Grande Wilson Batista Duarte, conhecido como Kanelão, foi condenado por empregar uma funcionária fantasma entre 2013 e 2016 em seu gabinete na Câmara de Vereadores. Tanto o ex-parlamentar quanto Ana Lúcia Ávila Perez — que, segundo a justiça, recebia salário mas não cumpria expediente no gabinete da Câmara de Vereadores da cidade — foram condenados em segunda instância por estelionato.

As penas são de um ano e oito meses de prisão para Kanelão e um ano e quatro meses para Ana Lúcia. A decisão, publicada pelo desembargador Nelson Antônio Monteiro Pacheco em 30 de março, possibilita que a pena seja paga com medidas alternativas à detenção, como multa e prestação de serviços à comunidade.

A decisão se baseia em um pedido do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS), que apurou que Kanelão indicou a funcionária fantasma para seu gabinete e assinou os atestados de comparecimento de Ana Lúcia na Câmara de Vereadores sem que ela houvesse cumprido, interna ou externamente, as suas atribuições.

De acordo com o promotor de Justiça José Alexandre da Silva Zachia Alan, Ana Lúcia possuía um salão de beleza em Rio Grande e atendia durante o expediente.

“Ela estava contratada como assessora parlamentar, mas não fazia nada. No curso da investigação, descobrimos que ela passava o expediente inteiro cortando cabelo no seu salão, mas recebia salário da Câmara”, explica o promotor.

Não há provas, no entanto, de que a funcionária fantasma devolvesse parte do valor recebido ao ex-vereador, prática conhecida como “rachadinha“.

 Wilson Batista Duarte, conhecido como Kanelão, foi condenado por empregar uma funcionária fantasma entre 2013 e 2016 em seu gabinete na Câmara de Vereadores. Tanto o ex-parlamentar quanto Ana Lúcia Ávila Perez — que, segundo a justiça, recebia salário mas não cumpria expediente no gabinete da Câmara de Vereadores da cidade — foram condenados em segunda instância por estelionato.

As penas são de um ano e oito meses de prisão para Kanelão e um ano e quatro meses para Ana Lúcia. A decisão, publicada pelo desembargador Nelson Antônio Monteiro Pacheco em 30 de março, possibilita que a pena seja paga com medidas alternativas à detenção, como multa e prestação de serviços à comunidade.

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

Ex-vereador já entrou em polêmica com declarações racistas

Kanelão foi alvo de um pedido de cassação da Câmara de Vereadores de Rio Grande em 2014, quando foi filmado dando declarações racistas. Enquanto os parlamentares discutiam um projeto de lei de cotas em concursos públicos municipais para negros e pardos, Kanelão declarou que “negros já estão quase brancos”.

Um mês depois, no entanto, a Câmara de Rio Grande decidiu arquivar o processo de pedido de cassação contra o vereador.

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

Fonte: G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
PartiuSicoob_BannerSite_300x266px
WhatsAppImage2022-01-27at090302
BANNERSANTAINESNOVO
OBAOK
278875877_5073530309371253_7577404801244216723_n
WhatsApp Image 2022-05-12 at 09.02.05

MAIS LIDAS

SELLNET-300x158
zanella
farmsantinesnova