Galvão Bueno diz que deixará narração na TV Globo após a Copa: ‘O importante é que emoções eu vivi’

Galvão Bueno, em entrevista ao GLOBO, no Rio Foto: Leo Martins / Agência O Globo
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
PartiuSicoob_BannerSite_300x266px
WhatsAppImage2022-01-27at090302
BANNERSANTAINESNOVO
durstok
postedeatendimentosite

Galvão Bueno se prepara para sua última Copa do Mundo narrando na TV aberta. Voz marcante do futebol brasileiro há mais de quatro décadas, o narrador de 71 anos — e 11 mundiais — se despede hoje do Maracanã, no Brasil x Chile, às 20h30, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Em entrevista exclusiva ao GLOBO, no Rio, ele contou que está em negociação, mas que vai migrar cada vez mais para as plataformas digitais.

— Eu tenho contrato com a Globo até o fim do ano. E a gente resolveu que iríamos investir muito na minha participação na Olimpíada e, esse ano, seria seleção brasileira e Copa do Mundo. E estamos conversando para ver o que será depois do dia 18 de dezembro, que é o dia da final. Espero estar com saúde para estar lá — contou.

— Temos até lá para resolver o que vai acontecer. Eu diria que hoje tenho uma consciência de que seria minha última Copa do Mundo narrando em TV. Tudo tem seu tempo. Ao mesmo tempo, que termina o contrato para essa minha sequência de 41 anos na Globo, com trabalho do dia a dia, programa, narração de jogos, com essas coisas, a tendência nessa conversa é que isso pare depois da Copa do Mundo. Mas estamos negociando outras coisas. Outros caminhos. E, muito provavelmente, muita coisa nesse mundo digital e outras plataformas dentro do Grupo Globo. A Globo é minha casa.

Galvão ingressou na TV Globo em 1981 e, desde então, participou de todas as grandes coberturas de esporte na emissora, entre elas, 10 Copas do Mundo – da Espanha’1982 a Rússia’2018 –, narrando a vitória do Brasil em 1994 e 2002. No Mundial dos Estados Unidos, protagonizou uma das cenas mais marcantes do jornalismo esportivo brasileiro: ao ver a cobrança de pênalti de Roberto Baggio passar sobre o travessão de Taffarel comemorou aos berros de “É tetra, é tetra!” abraçado a Pelé, comemorando o fim do jejum de 24 anos sem títulos. Além dos gramados, Galvão Bueno marcou época nas pistas. A estreia na Fórmula 1 foi no Grande Prêmio da África do Sul, em 1982. Foram dele as narrações dos três títulos de Ayrton Senna, de quem se tornou um amigo pessoal.

— Globo é minha casa. Então, a nossa conversa nesse momento é: o que irá acontecer, como deixaremos as portas abertas e que porta será utilizada depois do dia 18 de dezembro. É impossível você dizer no mundo “não, nunca mais”. A vida me ensinou isso. Mas neste momento eu diria, narração em TV aberta, não mais.

Outro amigo pessoal, o cantor Roberto Carlos, com quem Galvão vem conversando desde o início da pandemia, ajuda o narrador a resumir esse momento.

— É como o Roberto fala: “se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi”.

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

Fonte: O Globo

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
PartiuSicoob_BannerSite_300x266px
WhatsAppImage2022-01-27at090302
BANNERSANTAINESNOVO
durstok
postedeatendimentosite

MAIS LIDAS

SELLNET-300x158
zanella
farmsantinesnova
Roque_2021-300x266-1-seo