Juiz manda Estado retomar contagem de tempo de serviço de servidor (não aplicação da Lei Complementar 173/2020)

Foto: Racool_studio - br.freepik.com

A inaplicabilidade da Lei Complementar 173/2020 pode se estender aos servidores municipais atingidos pelo congelamento.

Advogado Benhur Aurélio Formentini Nunes – OAB/RS 120.022

Mais informações / Whatsapp: (55) 99601-1704

benhur.nunes@gmail.com

 

A Lei Complementar 173/2020, ao proibir os estados e municípios de computar o tempo de serviço dos seus servidores até 31 de dezembro de 2021 para fins de concessão de adicionais temporais e licença-prêmio, extrapolou a competência legislativa da União. Assim, a pretexto de legislar sobre “normas gerais” de finanças, a lei disciplina de maneira muito específica o sistema remuneratório de servidores estaduais, violando o pacto federativo.

A Lei Complementar nº 173/2020 proibiu estados e municípios de contar o período de 28 de maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021 para fins de concessão de adicionais de tempo de serviço, licença e outros benefícios dos servidores.

De acordo com decisão judicial da Vara do Juizado Especial Cível e Criminal de Votuporanga (SP), a União extrapolou sua competência legislativa por uma série de motivos. Isto porque, ao legislar sobre normas gerais de finanças, violou o pacto federativo.

Na decisão do Juiz José Manuel Ferreira Filho, o Estado de São Paulo foi condenado para continuar a contagem de tempo de serviço efetivamente prestado pelo servidor que ajuizou a ação, fazendo obter assim adicionais temporais, sexta-parte e licença-prêmio durante o período de 28 de maio de 2020 até 31 de dezembro de 2021.

De acordo com o magistrado, sob o pretexto de legislar sobre normas gerais de finanças públicas na pandemia, “a União acabou dispondo de maneira muito específica sobre sistema remuneratório dos servidores dos Estados que a ela não compete sob pena de violação do pacto federativo estabelecido como princípio fundamental em nossa Constituição, inclusive como cláusula pétrea (CF, artigo 60, §4º, I)”.

O Juiz paulista ainda afirmou em sentença que “não pode a Lei Complementar Federal suspender ou suprimir direitos remuneratórios dos servidores dos estados e municípios, especialmente aqueles já adquiridos com base na legislação local vigente e que, portanto, não correspondem a aumentos de salários ou reajustes”.

A inaplicabilidade da Lei Complementar 173/2020 pode se estender aos servidores municipais atingidos pelo congelamento, de acordo com os fundamentos da decisão.

 

 

 

Processo nº 1006676-94.2020.8.26.0664

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram

MAIS LIDAS

VÍDEOS

Mais notícias

Cotação dos Produtos Agrícolas nesta quarta-feira (20/01/2021)
Confira os preços dos produtos agrícolas na ABC Agrícola...
Chiapetta: Profissionais da linha de frente serão os primeiros a receber a vacina
A 17ª Coordenadoria Regional de Saúde de Ijuí, da...
Saúde alerta sobre ligações e SMS falsos de cadastro para vacinação
O Ministério da Saúde não liga e não envia...
Coronel Bicaco: 15ª Coordenadoria Regional de Saúde divulga cronograma de vacinação contra o Covid-19
No dia 19 de janeiro de 2021, os profissionais...
Expodireto Cotrijal 2021 é cancelada por precaução sanitária
O conselho e a diretoria da Cotrijal Cooperativa Agropecuária...