Líderes de facções que compravam maconha plantada por traficante gaúcho no Paraguai são alvo de operação

Até as 6h50min, a polícia havia cumprido 14 dos 21 mandados de prisão - Ronaldo Bernardi / Agência RBS
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
WhatsApp Image 2022-07-15 at 09.14.17
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
PartiuSicoob_BannerSite_300x266px
WhatsAppImage2022-01-27at090302
BANNERSANTAINESNOVO
mart
BANER SITE OBSERVADOR 67
1
2

A Polícia Civil deflagrou na manhã desta terça-feira (15) uma nova operação contra um grupo que se estabeleceu no Paraguai há alguns anos para enviar semanalmente meia tonelada de maconha para o Rio Grande do Sul. Desta vez, o objetivo foi atacar a liderança de três facções do Estado que compravam a droga.

Cerca de 60 agentes cumprem nove mandados de busca e 21 de prisão preventiva em três cidades da Região Metropolitana e em presídios do Estado. Um veículo blindado e um helicóptero são usados na ação.

Três ordens judiciais são cumpridas em penitenciárias federais. Entre os alvos está Juraci Oliveira da Silveira, o Jura, condenado a 74 anos de prisão, suspeito de comandar o tráfico no Campo da Tuca, na zona leste da Capital, e envolvido na morte do então vice-presidente do Conselho Regional de Medicina (Cremers), Marco Antônio Becker, em 2008.

Outro alvo é um traficante que tinha casa com piscina e alçapão secreto para fuga no bairro Cascata, também na Zona Leste, além de ter construído um albergue para integrantes da organização criminosa.

Até as 6h50min, a polícia havia cumprido 14 dos 21 mandados de prisão.

 

“Operação CabeçaS”
A chamada “Operação CabeçaS” é continuidade de outra, deflagrada em julho de 2021. As duas coordenadas pelo titular da 3ª Delegacia do Departamento de Investigações do Narcotráfico (Denarc), delegado Alencar Carraro.

A investigação teve início em 2019, após a apreensão de 250 quilos de maconha na Região Metropolitana. Um inquérito foi instaurado e teve como resultado inicial uma ação realizada no ano passado.

Na ocasião, foram presas seis pessoas e também foram usados um helicóptero e um veículo blindado para garantir a segurança dos agentes. A droga apreendida tinha o logotipo “Da lata” e a inscrição “Top RN253”, referente a uma linha de ônibus que atende à região do bairro Cascata.

O local é reduto do suspeito de plantar a maconha no Paraguai, considerado um dos fornecedores dos líderes de três facções. Ele não havia sido localizado na operação da época, mas foi detido em janeiro deste ano em Santa Catarina.

 

Receptadores na mira 
Ao longo da investigação, a polícia descobriu também os receptadores da maconha na Região Metropolitana e, por meio de um artifício jurídico adotado na Lava-Jato, a chamada Teoria do Domínio do Fato, conseguiu enquadrar vários líderes de três facções em apenas um inquérito. Por isso, os agentes cumprem nesta terça-feira as ordens judicias em Porto Alegre, principalmente na Zona Leste, mas também em Alvorada e em Cachoeirinha.

Todos os investigados são considerados do primeiro escalão dos grupos criminosos, inclusive, alguns são apontados como os principais líderes das organizações. Dos 21 suspeitos investigados, 13 atuam nas ruas e oito estão no sistema prisional. Destes, cinco estão no Presídio Central e na Penitenciária Modulada de Charqueadas.

Outros três, considerados de maior periculosidade, estão em presídios federais fora do Rio Grande do Sul. Carraro não divulgou nomes, mas GZH apurou as identificações.

Além de Jura, que atualmente está em presídio na cidade de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, há outro suspeito na mesma casa prisional e é apontado por ser líder do tráfico na Restinga, na zona sul da Capital. O nome dele é Luis Fernando Oliveira Jardim, conhecido como Rato.

Outro suspeito de comandar a compra de maconha plantada por grupo gaúcho no Paraguai é Leonardo Ramos de Souza, conhecido como Peixe. Atualmente em presídio federal em Porto Velho, Rondônia, ele foi alvo de operação policial em 2017 no bairro Glória. Na época, a polícia descobriu que ele tinha uma casa com piscina e quiosque, que chamava a atenção em meio a residências simples no Morro da Embratel. O local tinha até um alçapão para fuga, e Peixe foi investigado ainda por construir um albergue na mesma região para integrantes da facção.

Outro suspeito que teve mandado de prisão cumprido nesta terça-feira, mas neste caso no Presídio Central, é apontado por comandar o tráfico no condomínio Princesa Isabel, no bairro Santana, também em Porto Alegre.

GZH está tentando contato com os advogados dos três detentos investigados como suspeitos de liderar facções e de comprar maconha para ser distribuída na Região Metropolitana.

Desde o início da investigação, em 2019, e sem contar com a ação desta terça-feira, o Denarc contabiliza 440 quilos de drogas apreendidos e 11 prisões de suspeitos de envolvimento neste esquema de plantio de maconha no Paraguai e distribuição na Região Metropolitana.

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

 

Fonte: GZH

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
WhatsApp Image 2022-07-15 at 09.14.17
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
PartiuSicoob_BannerSite_300x266px
WhatsAppImage2022-01-27at090302
BANNERSANTAINESNOVO
mart
BANER SITE OBSERVADOR 67
1
2

MAIS LIDAS

Sorry. No data so far.

SELLNET-300x158
zanella
farmsantinesnova
Roque_2021-300x266-1-seo