Lua tem nova cratera após colisão de destroços de foguete

Cientistas ainda devem levar semanas até conseguir localizar e fotografar nova cratera na Lua - GISELE PIMENTA / FRAMEPHOTO / ESTADÃO CONTEÚDO
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
PartiuSicoob_BannerSite_300x266px
WhatsAppImage2022-01-27at090302
BANNERSANTAINESNOVO
durstok
postedeatendimentosite

A Lua tem mais uma cratera. Uma seção de um foguete que estava vagando há muitos anos pelo espaço se chocou contra a sua superfície na última sexta-feira (4). Segundo especialistas, como não foi possível fazer uma observação direta do evento, será preciso paciência para verificá-lo através de imagens.

O impacto aconteceu às 9h25min de Brasília na face oculta da Lua, segundo o astrônomo Bill Gray, o primeiro a identificar que a colisão se aproximava do satélite natural da Terra.

O objeto cilíndrico se deslocava a mais de 9 mil km/h e é provável que tenha causado uma cratera “de dez a 20 metros de diâmetro”, disse  Bill Gray, afirmando:

– Tínhamos muitos dados sobre este objeto.

Sua trajetória tinha sido calculada através de observações realizadas por telescópios na Terra.

A identificação do foguete em questão foi objeto de debate porque ninguém se ocupa oficialmente de registrar e monitorar os destroços de objetos no espaço profundo.

Gray, criador do software utilizado pelos programas de observação financiados pela Agência Espacial Norte-Americana (Nasa), os monitora para que não sejam confundidos com asteroides e, assim, não se perca tempo estudando-os inutilmente.

Inicialmente, pensava-se que os destroços eram de um foguete da SpaceX. No entanto, por fim chegou-se à conclusão de que se tratava de uma nave chinesa, concretamente um estágio do foguete Longa Marcha, que decolou em 2014 para uma missão chamada Chang’e 5-T1, como parte do programa de exploração lunar do país asiático.

Pequim, por outro lado, negou essa informação e garantiu que a seção de seu foguete tinha “entrado sem perigo na atmosfera terrestre” e foi “incinerada por completo”. No entanto, segundo Gray, a China confundiu duas missões com nomes similares e, na realidade, estava falando de um foguete lançado bem depois.

De qualquer maneira, a cratera só poderá ser observada através da sonda LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter) da Nasa ou pela indiana Chandrayaan-2, ambas em órbita ao redor do satélite natural da Terra. Segundo Gray, as duas sondas podem observar toda a região lunar uma vez por mês.

A Nasa confirmou, em janeiro, que queria encontrar a cratera, mas advertiu que a operação poderia levar “semanas”.

Não é incomum que as seções dos foguetes fiquem abandonadas no cosmos, mas esta é a primeira vez que se identifica uma colisão não intencional com a Lua. No passado, partes de foguetes foram lançadas contra o astro com fins científicos.

 

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

 

Fonte: GZH

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
PartiuSicoob_BannerSite_300x266px
WhatsAppImage2022-01-27at090302
BANNERSANTAINESNOVO
durstok
postedeatendimentosite

MAIS LIDAS

SELLNET-300x158
zanella
farmsantinesnova
Roque_2021-300x266-1-seo