Motorista de van escolar acusado de estuprar e matar adolescente vai a júri em Catuípe

Maria Eduarda Zambom tinha 15 anos. — Foto: Reprodução
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
infe_ok-300x266
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
BanneFixoSite

O Tribunal de Justiça marcou para a próxima quarta-feira (17) o julgamento do acusado de estuprar e matar a adolescente Maria Eduarda Zambom, de 15 anos, em Catuípe, no Noroeste do Rio Grande do Sul. O crime aconteceu em março de 2019, quando o réu, um motorista de transporte escolar, teria violentado a jovem após pegá-la de carro, sob pretexto de levá-la à escola, conforme denúncia do Ministério Público.

O g1 busca contato com a defesa do acusado.

A Justiça já havia adiado o julgamento, marcado inicialmente para ocorrer em novembro do ano passado, em razão de um pedido da defesa. Na ocasião, o advogado do acusado alegou que ele pertencia ao grupo de risco para o coronavírus.

O julgamento ocorre a partir das 9h30, no Plenário do foro de Catuípe, e será presidido pela juíza Rosemeri Oesterreich Krüger.
O acusado de 52 anos será julgado pelos crimes de feminicídio, estupro e ocultação de cadáver. Ele aguarda o julgamento preso na Penitenciária Modulada de Ijuí.

 

Relembre o crime

Maria Eduarda foi considerada desaparecida depois de embarcar no carro do acusado, que deveria buscá-la na manhã de 29 de março de 2019 para ir à escola. No dia seguinte, o corpo da adolescente foi encontrado com sinais de asfixia.

O MP aponta que o réu se aproveitou do fato de ser conhecido da família e dirigiu-se até a residência dizendo que a levaria ao colégio. Porém, trocou a van escolar por seu veículo particular. No caminho, parou o carro e arrastou Maria Eduarda para um matagal, obrigando-a a ter relações sexuais.

O homem foi hospitalizado com ferimentos no pescoço e no peito, em Ijuí. Depois, ainda foi encaminhado para Porto Alegre.

Em 24 de abril, ele teve alta e foi preso, sendo levado à Penitenciária Modulada de Ijuí. Em depoimento, negou o crime e apresentou duas versões.

Na primeira, disse que um motociclista armado com uma pistola o perseguiu, cortou a frente do veículo e o obrigou a asfixiar a vítima. Depois, o suposto motociclista teria cortado, com uma faca, o pescoço dele. O delegado contestou a versão.

Após ser questionado pela polícia, ele mudou a versão, afirmando que Maria Eduarda morreu por overdose. Disse que a menina o forçou a entrar com ela no mato, para que ela consumisse drogas, ameaçando inventar fatos sobre ele, caso não obedecesse.

No entanto, o laudo da perícia apontou, além da morte por asfixia, que o réu manteve relações sexuais com a vítima sem consentimento.

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

 

Fonte: G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
infe_ok-300x266
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
FarmaciaVidaCoronelBicaco_Bannerok
PromoWeek_Consórcios_BannerSite_300x266px (1)

MAIS LIDAS

SELLNET-300x158
graficaomegaok
zanella
farmsantinesnova
Sellnet2