MP e Polícia Federal investigam formação de cartel entre postos de combustíveis no Sul do RS

Créditos: Divulgação
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
infe_ok-300x266
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442

A Polícia Federal realizou, na última sexta-feira, 1º de outubro, a Operação Heavy Fuel, para combater possível formação de cartel entre postos de combustíveis sediados na zona sul do estado. Foram cumpridos, na ocasião, 16 mandados de busca e apreensão em estabelecimentos comerciais, escritórios e residências em Jaguarão e Pelotas. “Trata-se de um desdobramento de investigação de possível prática de ilícitos anticoncorrenciais e contra relações de consumo,sobretudo eventual cartel por parte de postos de combustíveis de Jaguarão”, conta o promotor Vitor Hugo Chiuzuli, que, juntamente com a promotora Priscilla Ramineli Leite Pereira, acompanha as questões relacionadas ao tema.

Tramitam na Promotoria de Justiça de Jaguarão expediente para apurar as questões atinentes ao direito do consumidor, que são vinculadas aos fatos, porém, na esfera da responsabilização por ilícitos no âmbito consumerista. Em 29 de abril deste ano, inclusive, foi realizada audiência pública virtual acerca do tema do preço dos combustíveis praticados no município.

Conforme o promotor, os preços de combustíveis praticados em Jaguarão são praticamente os maiores do Estado do RS, “o que chama a atenção e evidencia esse ambiente de baixa competitividade”. Além disso, verificou-se, ao longo das investigações, que quando era anunciado aumento de preço por parte da Petrobrás, em Jaguarão, acontecia de todos os postos aumentarem imediatamente e, às vezes, em grau máximo dentro da margem de variação, mesmo tendo um estoque de combustível pretérito. “Não havia qualquer tipo de receio desse combustível não ser vendido, o que apontava que havia ali práticas em desacordo com as expectativas legítimas dos consumidores e incomuns em um ambiente de livre concorrência”, explica Chiuzuli.

Ele aponta ainda que quando havia qualquer divulgação de fiscalização por entidade pública (Inmetro, Procon ou até mesmo MP), ocorria uma sensível redução dos preços, mesmo sem haver redução por parte da Petrobrás. “A variação de preços em Jaguarão se dava de forma ocasional, sem relação com as variações de preço de mercado”, ressalta.

 

CARTEL

Considerada como uma das condutas anticompetitivas que mais causa danos aos consumidores, a formação de cartel ocorre quando as empresas formam um acordo para combinar os preços de venda de um determinado produto, com o objetivo principal de eliminar a concorrência entre elas e, com isso, gerar o aumento considerável dos preços e elevar arbitrariamente os lucros. A formação de cartel é considerada uma prática criminosa com previsão de pena que pode chegar a cinco anos de reclusão. A Operação Heavy Fuel investiga, ainda, os crimes de associação criminosa e contra as relações de consumo.

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

Fonte: MPRS

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
infe_ok-300x266
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442

MAIS LIDAS

SELLNET-300x158
graficaomegaok
zanella
farmsantinesnova
Sellnet2