Mulher declarada morta teve quadro de ‘autorressuscitação’, diz diretor da UPA de Cruz Alta

Maria Margarete, 62 anos, está internada em Ijuí — Foto: Arquivo pessoal

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cruz Alta, no Noroeste do Rio Grande do Sul, afirmou, nesta terça-feira (27), que a idosa que foi declarada morta mesmo estando viva passou por um quadro de autoressuscitação, fenômeno conhecido Sindrome de Lázaro.

Maria Margarete dos Santos Jesus, de 62 anos, foi encaminhada para a UTI do Hospital de Caridade de Ijuí, onde segue internada.

O parecer foi dado pelo diretor técnico do Instituto de Administração Hospitalar e Ciências da Saúde (IAHCS), que administra a UPA. Segundo o médico Sérgio Ruffini, que conduziu a avaliação do caso, a paciente voltou a respirar uma hora após sofrer uma parada cardiorrespiratória.

“[Ela voltou a respirar] exatamente uma hora depois. É o tempo que eventualmente pode acontecer, neste caso, para esta síndrome, a chamada Síndrome de Lázaro, que é a autorressuscitação após manobras de atendimento à parada cardíaca sem sucesso, que foi o primeiro passo”, disse.

Ruffini afirma que não houve erro médico no caso. Após voltar a apresentar sinais vitais na UPA, Maria foi transferida para o Hospital de Caridade de Ijuí, onde foi submetida a uma operação de implante de uma mola no coração.

“Não houve falha nem de pessoas, nem de instrumentos, nem de equipamentos. Todos os procedimentos foram rigorosamente dentro do que deveria ter sido feito”, sustentou.

Caso

Segundo a filha de Maria, Adriane Santos, a idosa passou mal na quinta-feira (22) e desmaiou em casa. A paciente foi levada pela família à UPA de Cruz Alta, onde chegou sem pulsação. A equipe tentou reanimá-la por cerca de 40 minutos.

A médica que atendeu Maria informou Adriane sobre o falecimento. A certidão de óbito foi emitida. Enquanto Adriane encaminhava o enterro de Maria, ela recebeu uma ligação da UPA.

O médico que atendeu a idosa em Ijuí disse à família que Maria sofre com problemas cardíacos e diabetes, o que os familiares não tinham conhecimento.

A família vai entrar na Justiça para anular a certidão de óbito. Maria Margarete é aposentada e pode deixar de receber a aposentadoria por ser considerada morta.

Fonte: G1
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Slider

MAIS LIDAS

Slider

VÍDEOS

Mais notícias

Brigada Militar prende segundo indivíduo envolvido em roubo ocorrido em Frederico Westphalen
Na tarde desta segunda-feira (10/5), policiais militares do 37º...
Pneus se desprendem de carreta e atingem casa em Santa Catarina
O fato ocorreu às 11h desta segunda-feira, 10, na...
Acidente envolvendo moto e veículo no centro de Santa Rosa
No início da tarde de segunda-feira (10/05), ocorreu um...
Novo lote de vacinas da CoronaVac: Confira quantas doses cada município da Região Celeiro vai receber
Começa a ser distribuído, nesta segunda-feira (10), mais um...
Redentora: Administração Municipal vacina pessoas com comorbidades contra a Covid-19
A Administração Municipal, através da Secretaria Municipal de Saúde...