Nasa explorará asteroide mais valioso do que a economia mundial

Arte divulgada pela Nasa de como seria o asteroide Psyche 16 | Foto: REPRODUÇÃO SITE / JPL NASA / CP
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
infe_ok-300x266
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442

A Nasa, agência espacial americana, lançará em agosto deste ano uma missão espacial com o objetivo de explorar um asteroide com reserva de metais mais valiosas que toda a economia mundial combinada. Localizado em um cinturão entre as órbitas de Marte e Júpiter, o Psyche 16 teria uma quantidade somente de ferro estimada em 10 trilhões de dólares (R$ 56,9 trilhões).

A missão, batizada de Psyche (Psiquê, em tradução livre), será comandada pela agência espacial e pela Universidade Estadual do Arizona (ASU, na sigla em inglês). A expectativa é que os equipamentos para a exploração da superfície do asteroide cheguem por lá só em 2026.

A sonda espacial responsável pela missão percorrerá um longo caminho de 2,4 bilhões de quilômetros por cerca de quatro anos. O equipamento usará a força gravitacional de Marte para se lançar contra o cinturão no qual o Psyche 16 orbita.

As câmeras da sonda serão ligadas no final de 2025, quando estiver realizando a aproximação final do asteroide. Segundo a Nasa, este processo é essencial para a segurança da missão.

“As imagens também ajudarão os engenheiros a se orientar enquanto se preparam para entrar em órbita em janeiro de 2026. A órbita inicial da espaçonave foi projetada para estar em uma altitude segura e alta, cerca de 700 quilômetros acima da superfície do asteroide”, explica a Nasa, segundo o El País.

Ainda segundo o jornal espanhol, o Psyche 16 tem 200 km de diâmetro e é considerado o maior asteroide do tipo M, o qual seria rico em metais como níquel e ferro. Acredita-se que o corpo rochoso metálico é formado de fragmentos de núcleos do que seriam planetas que foram desintegrados durante a formação do Sistema Solar.

“Se acabar sendo parte de um núcleo de metal, seria a primeira geração de núcleos primitivos em nosso sistema solar”, explica Lindy Elkins-Tanton, pesquisadora de ASU e diretora da missão.

 

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

 

Fonte: R7

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
infe_ok-300x266
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
PartiuSicoob_BannerSite_300x266px

MAIS LIDAS

SELLNET-300x158
graficaomegaok
zanella
farmsantinesnova