Professora internada em estado grave após cirurgia plástica morre em SC; ‘Foi uma guerreira’, diz amigo

Foto: Leandro Akajhdfud/ Arquivo Pessoal
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
infe_ok-300x266
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442

Roberta Lopes dos Passos, de 35 anos, que estava internada em estado grave após uma cirurgia plástica, morreu na madrugada desta sexta-feira (24). A informação foi confirmada pelo marido da professora ao g1, Leandro Akajhdfud.

Ainda não há informação sobre onde e em qual horário deve ocorrer o velório e sepultamento de Roberta. A professora da rede pública deixa dois filhos, um de três e outro de seis anos, e o marido, Leandro Akajhdfud.

“Roberta descansou. Ela foi uma guerreira, lutou até onde conseguiu e agora foi descansar ao lado de Deus”, disse Mateus Silva, amigo da professora.

Na quinta-feira (23) a família fez um boletim de ocorrências para que a Polícia Civil investigue se houve negligência médica.

  • “Agora o caso vai ser investigado como homicídio culposo”, informou o advogado da família,

Roberta estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em coma induzido, no Hospital do Coração em Balneário Camboriú, no Litoral Norte. Ela deu entrada no local após sofrer uma hemorragia, segundo o companheiro dela.

A professora realizou em 15 de dezembro os procedimentos de abdominoplastia, mamoplastia e lipoaspiração abdominal em um hospital de Tijucas, mesma região.

Em nota enviada ao g1 SC, na quinta (23), o médico Sérgio Keinet, que realizou os procedimentos, informou que não houve problemas durante a cirurgia e que presta todas as informações sobre o caso (leia a integra do texto mais abaixo).

A família suspeita que algo deu errado após a cirurgia “e isso não foi visto a tempo”, disse Leandro. Antes de morrer a professora apresentava problemas no fígado, no rim e a pressão estava baixa.

Boletim de Ocorrência
No boletim de ocorrências, foi realizado em Tijucas, mesma cidade onde a cirurgia foi realizada, o fato comunicado foi lesão corporal culposa, quando não há intenção. Contudo, com a morte da professora, o advogado informou que o caso será investigado como homicídio culposo.

  • “”Nós vamos procurar saber se houve erro na cirurgia, se perfurou algum órgão, alguma coisa, ou se houve negligência depois, no pós-operatório”,disse o advogado da família Alex Blaschke.

O hospital em que Roberta fez o procedimento informou a reportagem, na quinta (23), que “segue rígidos protocolos de cuidados e que acompanha seus pacientes antes, durante e depois de cada procedimento”. A unidade de saúde disse que está apurando o caso.

Procedimento
Leandro conta que todo o procedimento levou aproximadamente seis horas. Foi a mãe de Roberta que acompanhou a filha após a cirurgia.

  • “Ela [Roberta] perguntava para a minha sogra se a cinta estava muito apertada porque ela estava sentido muita dor no abdômen. Mas o médico toda hora falava que aquilo era normal. Ela passou a noite toda assim”, disse o marido.

No dia seguinte, durante o período da manhã, a situação de Roberta piorou.

“Minha sogra notou que ela estava tendo falência. E aí ela saiu berrando pelos corredores do hospital. Os médicos apareceram e levaram ela para o centro cirúrgico. Lá notaram a questão da hemorragia. Para realizar a transferência, por estar muito debilitada, ela teve que receber bolsas de sangue”, relembra o marido.

Leandro ainda diz que recebeu informações desencontradas por parte dos médicos que atenderam a companheira durante o processo de transferência para outro hospital, uma vez que a unidade de saúde em que ela estava não tinha Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Quando ela estava na maca da ambulância a anestesista que estava junto com o cirurgião me falou de uma parada cardíaca. E que havia sido muito rápida. Mas depois, conversando com o médico no hospital, ele me disse que no prontuário dela constam oito minutos de parada. Lá tratavam um caso que estava apenas demandando cuidados, mas quando chegou aqui [no hospital de Balneário Camboriú] já me disseram que o estado dela era super grave, com risco de óbito. E nada disse foi dito pra gente”, disse.

Planejamento
O marido conta que Roberta planejava a cirurgia desde o começo de 2021.

“Ela tinha os seios muito grandes e vinha atrapalhando há anos a coluna dela. A primeira ideia era só fazer a redução de mamas e colocar a prótese. Mas depois, por uma questão estética, ela resolveu fazer estes outros procedimentos”, explicou.

Íntegra da nota do cirurgião
“Me solidarizo, assim como toda a equipe assistencial do Hospital São José-Tijucas, com a família neste momento muito difícil.

Seguem algumas considerações:

Toda a cirurgia ocorreu dentro da absoluta normalidade. Quando a Roberta estava em recuperação no quarto do hospital, tanto eu como a anestesista passamos visitas no pós operatório, ocasiões em que não foram identificadas nenhuma intercorrência grave.

Na manhã de quinta-feira, dia 16, por volta das 07 horas, quando estava chegando no hospital recebi ligação informando que Roberta não estava bem. Após nova reavaliação do estado de saúde, foram realizados os procedimentos necessários e houve a transferência da Roberta para a Unidade de Terapia Intensiva do Hospital do Coração em Balneário Camboriú.

Estou acompanhando, juntamente com a equipe do Hospital, e mantendo contatos diários com os médicos da UTI, e sempre que solicitado, presto informações e assistência necessária no que se refere às cirurgias por mim realizadas.”

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

Fonte: G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
infe_ok-300x266
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
PartiuSicoob_BannerSite_300x266px

MAIS LIDAS

SELLNET-300x158
graficaomegaok
zanella
farmsantinesnova