Reportagem revela mais detalhes do contrabando de soja na fronteira com o Brasil, em El Soberbio

Foto: La Nacion

O jornalista Diego Cabot e uma equipe da mídia de Buenos Aires chegaram à província e mostraram o modus operandi que os contrabandistas usam para contrabandear o produto de um ponto a outro da cidade de El Soberbio. Desde o início da pandemia, a Polícia Missionária aprofundou os controles e caminhões com soja já foram interceptados sem endosso alfandegário como nunca antes na história do Tierra Colorada.

O relatório do La Nación

Os livros da profissão jornalística sustentam que uma crônica deve começar com uma imagem, ou com um diálogo, mas nunca com um número. Bem, este não, vai para o que é desencorajado: para um número. Acontece que não há como saber o que acontece em El Soberbio, uma cidade missionária localizada no rio Uruguai, sem fornecer dados. A soja naquela fronteira com a Argentina vale 28.000 pesos por tonelada, como em todo o país, que é subtraída do preço do frete até o porto. Em frente a essa margem está o Brasil, cerca de 200 metros em um fluxo suave. Quem colocar uma tonelada de cereal em terras vizinhas levará 87 mil pesos.

A recompensa pela travessia é tamanha que o dinheiro chega para todos: cambistas, patrões, caminhoneiros, catadores, soja, políticos, forças de segurança e controles de rota. Todas cobram; todos estão em silêncio. Um exemplo para entender. Um caminhão, uma equipe, como dizem neste lugar de terra vermelha, pode transportar 30 toneladas de cereal. Mas quem chega a El Soberbio, subornando pela rodovia, carrega pelo menos 50. “Houve casos de caminhões que quebraram e estavam trazendo cerca de 60 toneladas”, conta um investigador.

Se fossem 50 toneladas, a carga de soja em solo argentino vale 1,4 milhão de pesos, enquanto a jangada, na margem oposta, o preço é de 4,36 milhões. diferença é de 2,9 milhões de pesos por caminhão . Nesse território, tudo vale a pena desfrutar de tal ganho de capital.

El Soberbio, cidade litorânea que não tem ponte com o Brasil, mas sistema de jangadas e que está fechada devido à pandemia, está inundada de soja, apesar de o cultivo de oleaginosas não ser a principal atividade rural. Mas não importa, o grão se tornou o único tema desta cidade que possui 1.783 quilômetros quadrados de superfície e uma população urbana de 3.732 habitantes e outra de 15.839 rurais.

Foto: The Nation

As relações sociais são marcadas pela quantidade de dinheiro deixada por cada uma das centenas de caminhões que chegam diariamente. Diz -se que são cerca de 100, e que vão ao Brasil em busca do preço sem retenção (33% no caso da soja) e do dólar a preço livre, 170 pesos no final da nota.

A cronologia começa pela manhã. Você só precisa se levantar cedo para ver os veículos enlameados “pegando ” os jovens pelo centro da cidade. Eles voltarão no final da tarde, enlameados e cansados, mas terão pelo menos 5.000 pesos em dinheiro no bolso. Todos sabem o que se ganha “no rio”; todo mundo prefere “ir para o rio”.

Esse exército de jovens tem um objetivo: descarregar os caminhões que trazem soja a granel, transformá-la em sacos de 60 quilos, colocá-los em um caminhão e de lá em uma jangada. O resultado será a multiplicação do peso argentino, desvalorizado e com retenções, por dólares novos que chegam do Brasil.

Antes que chegue essa infantaria do esforço, uma sofisticada rede de crimes, corrupção e propina já deposita a soja no quartel. “Em Misiones há muitas pessoas que traficam soja e agentes da polícia provincial e das forças federais estão envolvidos nessas redes. Nosso objetivo é promover as redes de contrabando ”, disse a ministra da Segurança, Sabina Frederic.

Ele diz que a maior parte das apreensões de grãos foi feita no norte de Salta, embora reconheça que o número de sequestros aumentou no ano passado. “Cerca de 36% dos procedimentos da Gendarmaria ocorreram em Salta. O aumento foi muito importante, muito alto. Passamos de um recorde de 85 procedimentos e 277 toneladas apreendidas nos primeiros três meses de 2020 para que em 2021 esse número era de 2530 toneladas; É um aumento de 913% na quantidade de soja apreendida, além de 101 detidos. Segundo esses dados, 15% está em Misiones ”, acrescentou.

Esses caminhões chegam a Misiones sem serem detidos, apesar de haver um funil de rotas naquela província e todos devem passar por bloqueios de estradas. As maravilhas da arrecadação e do regulamento provincial geraram um imposto que é cobrado ao dirigir com carga. Mas a peculiaridade é que se os documentos de embarque não estiverem em dia, a província multa a transportadora, mas não para a marcha. Para os contrabandistas, esses pagamentos são um custo, não um obstáculo ao tráfego.

“Em Misiones existe um imposto, uma espécie de taxa, que a província cobra, mas não impede a violação de ter carga irregular” , acrescenta Frédéric. Nas rotas, dizem os cariocas, tudo se arranja com dinheiro. Essas multas, que costumam chegar a até um milhão de pesos por caminhão, são reaproveitadas por diversas unidades que formam comboios de veículos carregados. O primeiro da fila paga e é gerado um recibo que é lido com um código de barras.

O procedimento foi explicado por um investigador judicial. “Grupos de muitos caminhões vão junto com um carro. O primeiro paga a multa e passa na estrada. O carro volta com a multa para o próximo e passa para ele para que ele entregue ao controle e diga que já pagou. Você se pergunta como é que não sai que aquela multa é de outro caminhão? Não há leitores de código de barras na rota. Ele mostra, diz que já pagou e continua ”, relata com certa ironia.

Nesse momento, em um dos procedimentos, caiu um pequeno bando de policiais de Corrientes e Misiones e gendarmes que se uniram para montar um corredor que atendia caminhoneiros sem a documentação de sua carga. E recentemente, além disso, um daqueles carros que acompanham os caminhões foi parado com dois milhões de pesos em dinheiro, necessários para lubrificar o caminho da soja ao preço do ouro.

Já na província, o equipamento entra no mercado ilícito. Perto das vias, os antigos quartéis que antigamente serviam como secadores de fumo podem ser vistos agora revestidos de silobags do tipo madeira ou nylon, para a entrada do caminhão. A infantaria do esforço que se reuniu na cidade chega cedo a essas fábricas de varejo. O cereal a granel é acondicionado em sacos de aproximadamente 60 quilos.

Contrabando de soja na fronteira com o Brasil

Cinco pessoas são usadas para abaixar o cereal e ensacá-lo, além de um kit de costura. “Em quatro horas podemos descer de um caminhão sem problemas”, diz um deles, que concordou em falar com a LA NACION. Depois que o caminhão é removido e os sacos são estocados, outro veículo de carga mais ágil remove o cereal embalado para levá-lo por estradas intrincadas até o rio.

“Outra equipe intervém ali. Os tareferos [como são chamados em Misiones os operários da erva-mate que cultivam manualmente e carregam as bolsas nas costas] e os estivadores carregam o pequeno caminhão e o acompanham até a ravina do rio. Dois ficam em cima do caminhão e quatro nas canoas ”, diz um trabalhador.

LA NACION chegou a um dos quase 50 portos clandestinos que existem a poucos quilômetros de El Soberbio. A área é formada por ravinas e a forma de contornar a encosta, do alto até o nível do rio, é por meio de rampas. “ Eles usam guarda-corpo que roubam nas rotas para deslizá-lo”, reconhece o ministro. As chapas de aço que servem de segurança nas vias são colocadas como escorregador. Um pouco de óleo para fazer deslizar melhor e a bolsa vai.

Do caminho asfaltado até aquele local é preciso passar por estradas que antes eram secundárias, mas agora estão melhoradas. “O dinheiro do contrabando é suficiente para tudo”, diz um motorista ocasional. Milhares de metros cúbicos de pedra no barro vermelho missionário são colocados por máquinas alugadas pelos chefes de gangue. As maravilhas dos novos dólares que chegam do Brasil fizeram com que as empresas de transporte de solos florescessem em El Soberbio como poucas outras atividades.

À força de retroescavadeiras e pás mecânicas, as estradas serpenteiam e terminam em verdadeiras rampas até a margem do rio, como lambidas vermelhas no meio da montanha verde. As máquinas suavizam o declive e, de cima, os sacos são atirados para os barcos. “ Um dos problemas é que, se a soja não está na fronteira, não se configuram crimes de contrabando, mas sim infrações à legislação tributária penal” , diz Frederic.

Naquele território missionário, eles sabem. Não é crime de contrabando ter o quartel cheio de soja; enfim, trata-se do cereal argentino em território argentino. Assim, ao contrário do tráfico de drogas, ninguém na cidade tem a percepção de que se trata de um crime. “Não é a mesma coisa armazenar remédios em depósito do que armazenar soja. Outras pessoas entram neste negócio; Há até casos de profissionais bem conhecidos na área que agora estão empenhados nisso ”, disse um homem das forças de segurança nacional que está estacionado na área foi honesto.

Basta perguntar sobre os bares do centro, lotados de gente, para saber onde ficam os quartéis que simulam outra atividade. LA NACION permaneceu em um deles enquanto um caminhão entrava e era esvaziado dentro. Os gestos ficam tensos e nenhum estranho é bem-vindo. Este cronista também.

As barcaças se tornaram um dos produtos mais valiosos da região. “À medida que a prefeitura os sequestra, eles continuamente os substituem. O preço disparou. Hoje, para conseguir uma dessas jangadas de madeira, é preciso pensar em nada menos que 150 mil pesos ” , diz um carpinteiro que lembra que cada um desses barcos tem entre seis e oito metros de comprimento e pouco mais de dois metros de largura.

“Outra equipe intervém ali. Os tareferos [como são chamados em Misiones os operários da erva-mate que cultivam manualmente e carregam as bolsas nas costas] e os estivadores carregam o pequeno caminhão e o acompanham até a ravina do rio. Dois ficam em cima do caminhão e quatro nas canoas ”, diz um trabalhador.

LA NACION chegou a um dos quase 50 portos clandestinos que existem a poucos quilômetros de El Soberbio. A área é formada por ravinas e a forma de contornar a encosta, do alto até o nível do rio, é por meio de rampas. “Eles usam guarda-corpo que roubam nas rotas para deslizá-lo”, reconhece o ministro. As chapas de aço que servem de segurança nas vias são colocadas como escorregador. Um pouco de óleo para fazer deslizar melhor e a bolsa vai.

Do caminho asfaltado até aquele local é preciso passar por estradas que antes eram secundárias, mas agora estão melhoradas. “O dinheiro do contrabando é suficiente para tudo”, diz um motorista ocasional. Milhares de metros cúbicos de pedra no barro vermelho missionário são colocados por máquinas alugadas pelos chefes de gangue. As maravilhas dos novos dólares que chegam do Brasil fizeram com que as empresas de transporte de solos florescessem em El Soberbio como poucas outras atividades.

À força de retroescavadeiras e pás mecânicas, as estradas serpenteiam e terminam em verdadeiras rampas até a margem do rio, como lambidas vermelhas no meio da montanha verde. As máquinas suavizam o declive e, de cima, os sacos são atirados para os barcos. “Um dos problemas é que, se a soja não está na fronteira, não se configuram crimes de contrabando, mas sim infrações à legislação tributária penal”, diz Frederic. Naquele território missionário, eles sabem. Não é crime de contrabando ter o barracão cheio de soja; enfim, trata-se de cereal argentino em território argentino. Assim, ao contrário do tráfico de drogas, ninguém na cidade tem a percepção de que se trata de um crime. “Armazenar remédios em armazém não é o mesmo que armazenar soja. Outras pessoas entram neste negócio;Há até casos de profissionais bem conhecidos na área que agora estão empenhados nisso ”, disse um homem das forças de segurança nacional que está estacionado na área foi honesto.

O rio Uruguai é raso, então as travessias são perpendiculares. Em frente aos portos argentinos estão as praias brasileiras. Em vários locais do litoral costumam ter esteiras transportadoras e estradas que chegam ao rio para poder colocar os carros na água e passar os sacos diretamente.

Basta perguntar sobre os bares do centro, lotados de gente, para saber onde ficam os quartéis que simulam outra atividade. LA NACION permaneceu em um deles enquanto um caminhão entrava e era esvaziado dentro. Os gestos ficam tensos e nenhum estranho é bem-vindo. Este cronista também. As barcaças se tornaram um dos produtos mais valiosos da região. “À medida que a prefeitura os sequestra, eles continuamente os substituem. O preço disparou. Hoje, para conseguir uma dessas jangadas de madeira, é preciso pensar em nada menos que 150 mil pesos ”, diz um carpinteiro que lembra que cada um desses barcos tem entre seis e oito metros de comprimento e pouco mais de dois metros de largura.


Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUIe faça parte do nosso grupo de WhatsApp

Fonte: Misiones Online/La Nacion

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Slider

MAIS LIDAS

Slider