Vida e morte da caingangue Daiane, assassinada aos 14 anos

Catiane, irmã de Daiane (esquerda), e Júlia, a mãe (direita) mostram retrato dela vestida para entoar cânticos no templo. Foto: Félix Zucco / Agencia RBS
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
infe_ok-300x266
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
BanneFixoSite
PromoWeek_Consórcios_BannerSite_300x266px (1)

A caingangue Daiane Griá Sales, 14 anos, sonhava em ser cantora – e, de certa forma, conseguiu. Não de forma profissional, mas no coro gospel do templo da Assembleia de Deus, igreja evangélica que frequentava. Ela também queria ser professora, mas enquanto esperava a graduação, se contentava em repassar conhecimento de português às amigas, muitas das quais só dominam o idioma indígena. A garota só não tinha como imaginar que seus projetos de vida seriam interrompidos de forma brutal. Daiane foi estuprada e morta em 31 de julho, junto à reserva onde vivia, a Guarita, a maior do Rio Grande do Sul, situada próximo à fronteira com a Argentina.

GZH foi à Guarita, que abrange três municípios (Redentora, Miraguaí e Tenente Portela). O assassinato chocou por diversos motivos. O corpo seminu de Daiane – diminuto, cerca de 1m55cm de altura, quase de uma criança – foi encontrado cinco dias depois da morte, numa trilha de um matagal junto à reserva. Estava estraçalhado da cintura para baixo. A blusa estava levantada (com busto à mostra), um batom e um absorvente estavam junto ao cadáver, a indicar o abuso antes da morte.

Boatos de magia negra logo se espalharam na reserva, mas a perícia concluiu que os ferimentos visíveis em Daiane foram causados por animais, após a morte. A causa mais provável do assassinato foi estrangulamento, por meio de uma corda – que chegou a ser vista próximo ao corpo, mas sumiu.

A última vez em que Daiane tinha sido vista era numa festa, um “som” emanado de carros ao ar livre junto a um bar na Vila São João, ao lado da reserva. Cenário onde grupos de jovens costumam se reunir, embalados a bebidas e drogas.

 

Félix Zucco / Agencia RBS
A casa onde vivia Diane, na reserva. Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Fazia pouco que Daiane frequentava esses locais, mas naquele fim de semana tinha comparecido a várias festas do tipo. Era alegre, a mais desinibida das irmãs, descreve a mãe dela, a agricultora Júlia Griá, 43 anos.

— Ela cantava muito e também fazia as coreografias no coral gospel da igreja, que fica na reserva. Era tipo um teatro e todos gostavam do jeito dela. Frequentou até a 6ª série do colégio, fez datilografia — descreve, com orgulho, Júlia, em conversa com GZH. Como ela mal fala português, a tradução é feita por familiares.

Júlia diz que Daiane não fazia “dança no mundo, não se arrumava para dança no mundo”. A referência é a tudo que existe fora da aldeia. Não, a vida para ela era na reserva… até quatro meses atrás, quando começou a circular em festas próximas à cidade, pegar caronas, relata a mãe.

 

Acervo da Família de Daiane Griá Sales / Reprodução
Daiane, com o vestido usado para cantar na igreja, Foto: Acervo da Família de Daiane Griá Sales / Reprodução

Caçula da família, a adolescente tinha mais cinco irmãos – três homens e duas mulheres. São agricultores que vivem quase na miséria e não é força de expressão. Para chegar na residência dos Griá Sales é preciso pegar uma estrada de pedra que corta a reserva, depois uma trilha embarrada onde é difícil passar, a menos que o veículo tenha tração nas quatro rodas. A casa é feita com tábuas de costaneira, sem acabamento, no meio de um lamaçal. É diminuta e carce de esgotamento sanitário. Cultivam milho e alguma hortaliça. A carne é pouca. O contato com as cidades é esporádico, só para comprar alguma roupa.

— Antes de falarem mal dos indígenas, as pessoas deveriam ver como muitos deles sobrevivem — resume o advogado Bira Teixeira, que se ofereceu para representar a família de Daiane na pressão por justiça neste caso.

Evangélica “daquelas de frequentar culto a toda hora”, descreve a mãe, Daiane ajudava a cuidar das sobrinhas. Entre elas a filha da sua irmã Catiane, que tem só 18 anos. É uma família de maternidades e paternidades precoces.

 

Félix Zucco / Agencia RBS
Catiane se entristece ao lembrar o destino da irmã. Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

 

O rosto de Catiane se ilumina ao falar de Daiane vestida com túnicas azuladas, nos cânticos da igreja, embalados a violão e guitarra. E um olhar enviesado, triste, assoma quando lembra que a irmã tinha se afastado dos templos e buscado danças em outras paragens.

— Fazia uns meses que a Daiane deixou o culto. Ia de som em som, com amigas. Conheceu muitos rapazes, mas não falava em namorado. Só achava divertido e ia. Eu até trouxe ela de volta. Na sexta-feira se comprometeu a ficar com meu bebê, mas no sábado saiu. Não voltou mais — descreve Catiane.

A mãe, Júlia, diz que Daiane começou a ver gente de todo tipo. O cacique caingangue Carlinhos Alfaiate, que conhecia a adolescente, é mais direto.

— O problema é que nessas festas tem de tudo um pouco… índios, não-índios, pessoas ordeiras e outras, nem tanto. Fora da reserva rolam drogas, bebidas e tentam induzir menores, nesse meio — diz Alfaiate, também ligado à Assembleia de Deus. Ele lamenta a ausência de Daiane como a de um pastor que vê uma ovelha se desgarrar.

Como as saídas de Daiane estavam habituais, a família não estranhou que ela demorasse a voltar no domingo (31), embora tivesse ficado de cuidar de uma sobrinha. Só no dia seguinte registraram ocorrência policial. Era tarde para uma garota indígena, pobre e alegre, que sonhava muito e viveu pouco. Após cinco dias de buscas intensas e comoção, a tragédia foi constatada. Muitos vizinhos ainda duvidam que o corpo de Daiane tenha sido dilacerado por bichos. “Só se for um bicho homem”, define um primo, sob concordância de outros caingangues.

Receba as notícias do Site OBSERVADOR REGIONAL no seu celular: CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo de WhatsApp

Fonte: Gaúcha ZH

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
ABC_OK-300x266
viatec-300x266
Benhur_BannerSite-300x266
brigada-300x267
infe_ok-300x266
lojaswagner_ok-300x266
Roque_2021-300x266
sicredi_ok-300x266
Site_392x442
FarmaciaVidaCoronelBicaco_Bannerok
PromoWeek_Consórcios_BannerSite_300x266px (1)

MAIS LIDAS

SELLNET-300x158
graficaomegaok
zanella
farmsantinesnova
Sellnet2