VÍDEO: multidão desesperada se pendura em aviões para tentar fugir do Talibã

Créditos: Wakil Kohsar/AFP
Slider

Milhares de pessoas invadiram a pista no Aeroporto Internacional de Cabul nesta segunda-feira (16) e multidões tentaram entrar em aviões para deixar o Afeganistão, agora dominado pelo Talibã.

Vídeos mostram centenas de pessoas tentando invadir aeronaves paradas e subindo em um avião da força aérea americana que estava prestes a decolar (veja no vídeo e nas imagens abaixo).

Tiros foram disparados, e o tumulto deixou mortos. Todos os voos comerciais foram cancelados.

As forças americanas assumiram o controle do local e interromperam a retirada de americanos de Cabul para tentar controlar a situação.

O número de vítimas não foi confirmado. O jornal americano “The Wall Street Journal” diz que três pessoas foram mortas por armas de fogo e a agência de notícias Reuters fala em cinco óbitos.

A Reuters não diz se as vítimas foram atingidas por disparos de armas de fogo ou pisoteadas durante a confusão. Não está claro se os tiros foram disparados contra pessoas ou para o alto.

As pessoas estão tentando deixar o país após o Talibã tomar a capital Cabul e voltar ao poder depois de 20 anos. O presidente fugiu do Afeganistão e o palácio presidencial foi tomado no domingo (15).

O porta-voz do Talibã, Mohammad Naeem, afirmou à rede de televisão Al Jazeera que “alcançamos o que buscávamos, que é a liberdade do nosso país e a independência do nosso povo”.

“Pedimos a todos os países e entidades que se reúnam conosco para resolver quaisquer questões”, disse Naeem. “Não achamos que as forças estrangeiras irão repetir sua experiência fracassada no Afeganistão mais uma vez”.

Invasão e saída do Afeganistão

Os EUA atacaram o Afeganistão em 2001, em reação ao atentado do 11 de Setembro, e tirou o grupo extremista do poder. O Talibã foi acusado pelos americanos de esconder e financiar membros da Al-Qaeda, grupo terrorista comandado por Osama bin Laden e responsável pelo atentado.

Em fevereiro de 2020, o então presidente americano, Donald Trump, assinou acordo de paz com o Talibã que previa a retirada total das tropas do país até abril deste ano. O atual presidente dos EUA, Joe Biden, manteve o acordo e adiou a saída completa para o fim deste mês.

A maior parte das forças lideradas pelos EUA deixaram o Afeganistão em julho, e o Talibã se aproveitou da retirada e avançou rapidamente pelo país, conquistando diversas capitais de províncias desde o início do mês.

A queda de Cabul ocorreu muito antes do previsto pelos EUA. Segundo a Reuters, a estimativa dos serviços de inteligência americanos era de que o Talibã chegasse a Cabul em setembro, com uma possível tomada do poder em novembro.

Situação no aeroporto

Durante o tumulto no aeroporto internacional de Cabul, tropas dos EUA que ajudavam cidadãos americanos a embarcarem dispararam tiros e assumiram o controle do local.

Um oficial americano afirmou à Reuters que “a multidão estava fora de controle” e os disparos foram feitos “apenas para neutralizar o caos”.

A autoridade de aviação do Afeganistão disse que o espaço aéreo do país foi “liberado para os militares” e aconselhou as companhias aéreas a evitarem seu espaço aéreo, o que levou as principais companhias aéreas a desviar os voos após a tomada de Cabul pelo Talibã.

CONFIRA OS VÍDEOS:

Os EUA interromperam temporariamente os voos de evacuação, segundo a Reuters, para retirar as pessoas que invadiram a pista do aeroporto internacional. Não foi informado quanto tempo a pausa vai durar.

O vice-conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jon Finer, afirmou que o país vai se concentrar em proteger o local e enviar reforços.

Mais de 60 países, incluindo EUA, Alemanha, Japão e França, publicaram um comunicado no domingo (15) em que fazem um apelo para que cidadãos afegãos e estrangeiros tenham permissão para deixar o Afeganistão em segurança.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou em uma reunião a portas fechadas que o país precisa evacuar com urgência cerca de 10 mil pessoas sob sua responsabilidade, segundo a Reuters.

“Estamos testemunhando tempos difíceis”, teria dito Merkel a colegas de seu partido, o Democrata Cristão. “Agora devemos nos concentrar na missão de resgate.”

Fonte: G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Slider

MAIS LIDAS

Slider