Após queda, pandemia dá sinais de estabilização em nível elevado no RS

Em março, Estado registrou superlotação em UTIs. Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS.

Os gaúchos testemunharam o número de novos casos e óbitos provocados por covid-19 entrar em tendência de declínio, nas últimas semanas, após uma nova onda do coronavírus ter superlotado hospitais. Os dados mais recentes, porém, indicam que essa queda perdeu velocidade e sinalizam uma estabilização da pandemia em patamar muito elevado — o que pode resultar em novo agravamento em um curto intervalo de tempo.

A média da taxa diária de crescimento dos casos chegou a superar 1% ao final da primeira semana de março no Rio Grande do Sul. Cerca de um mês depois, esse índice havia caído pela metade . O problema é que, nos últimos dias, esse recuo perdeu velocidade e começou a dar lugar a indícios preliminares de estabilidade. Ao longo da semana, a média de avanço das contaminações passou a oscilar entre 0,47% e 0,51% (média diária de novos casos calculada ao longo de sete dias, para reduzir distorções).

— Nós vínhamos em uma tendência de queda. Essa queda entrou em desaceleração e começa a dar sinais de que pode estar se estabilizando. O problema é que estaria se estabilizando em um patamar ainda muito elevado — alerta o cientista de dados e coordenador da Rede Análise Covid-19, Isaac Schrarstzhaupt.

A média da taxa diária de novos óbitos, calculada pela data de registro da morte, apresenta comportamento semelhante. Chegou a superar 1,8% em meados de março, período em que entrou em declínio. Manteve-se abaixo de 1% ao dia desde 10 de abril — mas deixou de apresentar a mesma tendência clara de diminuição. Nos últimos dias, houve até uma ligeira oscilação para cima e passou de 0,7% para 0,8%.

 

SITUAÇÃO DA PANDEMIA NO RS

Após queda, taxas diárias de casos e óbitos sinalizam estabilização em patamar alto

Esse cenário é confirmado em um boletim Infogripe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) que analisou dados disponíveis até 12 de abril. O texto diz que “os Estados do Amazonas, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Roraima e Santa Catarina apresentam indícios de que podem estar interrompendo a tendência de queda ainda em valores significativamente elevados”.

O texto conclui que as estimativas “reforçam a importância da cautela em relação a medidas de flexibilização das recomendações de distanciamento para redução da transmissão da COVID-19 enquanto a tendência de queda não tiver sido mantida por tempo suficiente para que o número de novos casos atinja valores significativamente baixos”.

Esse cenário deixa especialistas em alerta por uma razão: quando há novo aumento da mobilidade, como agora no Rio Grande do Sul em razão de flexibilizações na circulação, há uma ameaça muito maior de repique da pandemia se a taxa de contaminação ainda estiver elevada.

— Nossa situação atual é como andar em uma corda bamba. Qualquer coisa, (a pandemia) pode voltar a subir. Mesmo que a gente consiga se manter como está agora, é um sofrimento enorme. Estaríamos aceitando um número maior de mortes por não conseguirmos interromper a transmissão do vírus — afirma a professora de Epidemiologia e reitora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Lucia Pellanda.

Schrarstzhaupt lembra que a Europa conseguiu reduzir “quase a zero” a taxa de contaminação após a adoção de lockdowns no ano passado. Por isso, uma segunda onda do coronavírus demorou meses até ganhar força. Isso pode ocorrer em menos tempo quando o coronavírus segue circulando em maior nível na sociedade.

— Quando você já tem uma circulação elevada do vírus e aumenta a mobilidade, a probabilidade de contaminação das pessoas que vão para a rua é muito maior, e, em consequência disso, a possibilidade de uma nova disparada da pandemia em um curto prazo — explica.

Depois de ficar semanas acima de 100%, a taxa geral de ocupação de unidades de terapia intensiva (UTIs) voltou a ficar abaixo da capacidade máxima no Estado. Mas ainda se encontra em um patamar de sobrecarga — na tarde desta segunda, estava em 87%.

 

Fonte: Gaúcha ZH

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Slider

MAIS LIDAS

Slider

VÍDEOS

Mais notícias

Explosão de lareira ecológica provoca incêndio em Três de Maio (Confira Vídeo)
Um incêndio provocado pela explosão de uma lareira ecológica...
Redentora: Administração Municipal divulga Vacinômetro
A Administração Municipal, por meio da Secretaria Municipal de...
Confira Áudio: Informativo da Administração Municipal de Coronel Bicaco em 14/05/2021
Confira o Informativo da Administração Municipal de Coronel Bicaco...
Chiapetta: Administração Municipal disponibiliza abertura de açudes gratuitamente aos agricultores
O Programa de incentivo à Piscicultura (Lei Municipal n°697),...
Carro usado na fuga de suspeito de mortes em Lagoa Vermelha é encontrado incendiado
A Polícia Civil encontrou, nesta sexta-feira (14), o carro usado...